Técnico do Vila Nova disseca o Atlético de Alagoinhas e espera jogo duro no Carneirão

 Técnico do Vila Nova disseca o Atlético de Alagoinhas e espera jogo duro no Carneirão

O técnico Wagner Lopes assistiu alguns jogos e buscou informações do Carcará.

Compartilhe
Pub - Inferior notícias

Integrante da Série B do Brasileiro, o Vila Nova vai encarar o Atlético de Alagoinhas, que disputa a Série D nacional, nesta quarta-feira (17), pelo jogo único da primeira fase da Copa do Brasil. O técnico Wagner Lopes assistiu alguns jogos e buscou informações do Carcará, para dissecar a forma de jogar da equipe baiana. Ele espera um duelo muito duro no Carneirão.

“O Atlético de Alagoinhas é um time que tem um contra-ataque muito forte, se defende muito bem com três volantes que marcam muito e saem para o jogo. Dionísio, Wilian Kaefer e Ronan, que é um cara de beirada que sai junto com os laterais, Edson de um lado e Paulinho do outro. O goleiro Fábio Lima quebra muito bem com uma reposição boa de bola. Tanto Edson como Paulinho apoiam muito o ataque. Eles tem um número 10, que é Miller, muito bom jogador. Ele é um falso 9, então atrai a marcação para Ronan ou Vitinho fazer o facão. Então, é bem complicado marcar o time deles, porque se adiantar a marcação você fica exposto. É um time muito competitivo, que joga bloco baixo para buscar o contra-ataque, então o Vila tem que saber duelar e não dar campo para o adversário explorar o contra-ataque. Vai ser um jogo duríssimo, não vai ser fácil para nós não”, analisou na entrevista coletiva.

Na estreia de Wagner Lopes no comando, o Vila Nova goleou o Iporá por 5 a 0, no último sábado (13), pela quarta rodada do Campeonato Goiano. Logo após o apito final, o treinador já começou o trabalho visando o embate contra o Carcará, freando a empolgação do elenco com o resultado elástico.

“Na hora que acabou o jogo já comecei o trabalho de pés no chão, de respeito ao adversário, de mudar a chave, de começar a pensar na Copa do Brasil. É um campeonato diferente, que não pode haver soberba, arrogância, nem desrespeito ao adversário. Tem o fator da logística que é difícil, vai viajar de avião e de ônibus e tem muito em jogo. É chover no molhado, mas quando você respeita o adversário e uma das maneiras é fazer tudo o que tiver ao alcance dentro do seu potencial para vencê-lo. Nosso time jamais deixaria de pensar que a qualquer momento pode jogar, jamais deixaria pensar e agir como se a qualquer momento do jogo pudesse vencer. Não é assim que futebol funciona, ainda mais o futebol moderno. Todos os times buscam informações, ainda mais com a internet aí, a globalização onde todo mundo sabe de todo mundo. Vai ser um jogo muito difícil e nós vamos ter que jogar no nosso limite para voltar de lá com a classificação”, afirmou.

Contra o Iporá, Wagner Lopes colocou o Vila Nova em campo com: Georgemy; Pedro Bambu, Rafael Donato, Saimon e Willian Formiga; Dudu, Arthur Rezende (Celsinho) e João Pedro (Romário); Maurinho (Gaúcho), Thiaguinho (Kelvin) e Pedro Júnior (Frontini). Os gols foram marcados por Pedro Júnior, Saimon, Thiaguinho, João Pedro, Gaúcho.

A bola rola para Atlético de Alagoinhas e Vila Nova a partir das 17h. Por ter melhor posição no ranking da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o time goiano precisa apenas de um empate para avançar de fase. Enquanto apenas a vitória dá a classificação ao Carcará.

Bahia Notícias

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores