País registra perda de 10,9 mil vagas de empregos formais em junho

 País registra perda de 10,9 mil vagas de empregos formais em junho

No Nordeste, o saldo foi de 1.341 demissões, segundo levantamento.

Compartilhe
Pub - Inferior notícias

Em junho, o país registrou 906.444 demissões contra 895.460 admissões, o que representa um negativo de 10.984 vagas, número inferior ao registrado em maio (-350.303). No Nordeste, foram 1.341 desligamentos no período. Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgados nesta terça-feira (28) pela  Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Segundo a pasta, em junho, “o mercado formal de trabalho apresentou melhora em relação a maio. Junho teve 16% menos desligamentos (166.799) e 24% mais admissões (172.520) do que maio”.

No primeiro semestre, o saldo do emprego formal ficou negativo em 1.198.363, resultado de 6.718.276 admissões e 7.916.639 desligamentos.

A quantidade total de vínculos ativos com carteira assinada ficou em 37.611.260. O salário médio de admissão em junho foi de R$ 1.696,92.

Setores

A agropecuária foi o setor de melhor desempenho, com a abertura de 36.836 novas vagas, seguido pela construção civil, que registrou saldo positivo de 17.270 postos de trabalho. Comércio e serviços registram saldos negativos com o fechamento de 16.646 e 44.891 vagas, respectivamente.

Demais regiões

Entre as regiões, o Centro-Oeste, Norte e Sul tiveram resultados positivos, com saldos de 10.010, 6.547 e 1.699, respectivamente. O pior resultado foi o da região Sudeste que fechou o mês com menos 28.521 vagas.

Entre as unidades da Federação, o melhor resultado foi registrado em Mato Grosso com a abertura de 6.709 postos de trabalho. Em contrapartida, o pior resultado foi no Rio de Janeiro que em junho registrou o fechamento de 16.801 vagas.

Reforma trabalhista

A modalidade trabalho intermitente teve saldo positivo de 5.223 empregos, resultado de 11.848 admissões e 6.625 desligamentos. De acordo com a secretaria, 79 trabalhadores tiveram mais de um contrato intermitente.

Com 5.889 admissões em regime de tempo parcial e 11.461 desligamentos, o trabalho em regime de tempo parcial teve resultado negativo (-5.572). Foram registrados 19 trabalhadores com mais de um contrato em regime de tempo parcial.

*Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores